sexta-feira, 22 de julho de 2016

Todo fim é um início e todo início tem como certo o final

  Todo fim é um início e todo início tem como certo o final.... Assim é a vida. Ciclos e mais ciclos acontecem.
 Aqui estou eu do alto de meus 43 anos e de minha artrose companheira, que insiste em trazer dores diárias, que não desejaria a um inimigo.
 Até hoje o dinheiro do bloqueio judicial não voltou a conta da empresa. Tenho certeza Temo que o estrago já é grande demais e já não mais conseguirei salvar a Tesc, minha moribunda empresa.
 Segunda tenho uma ação trabalhista em Minas. Uma ação de um cara que se recusou a assinar o aviso prévio e um ano depois entrou na justiça pedindo uma fortuna e alegando que não foi demitido!
 Penso se não seria mais feliz indo morar no interior.
 Volto a realidade com uma briga da Julia com o Vitor.
 Penso:
 - Onde errei? Os dois estão malcriados e desrespeitosos.
 Bate uma tristeza no coração que não tenho tempo de sentir. Preciso separar os dois.
 Tento demonstrar que carinho é o caminho, mas as vezes é difícil.
 Vem um pensamento:
 - Quem diabos quer saber das chatices de dias que estou tendo?
 Ainda assim continuo escrevendo. Pelo menos é uma forma de aliviar a tensão que estou vivendo.
 A todos um ótimo final de semana!

segunda-feira, 4 de julho de 2016

Tudo na mesma

Tudo continua na mesma... Trinta dias após o bloqueio das contas da empresa, o dinheiro continua bloqueado, mas sobrevivemos. Eu continuo viajando como louco para diversos locais e meus filhos estão preocupantemente malcriados. Meu nome foi para o espaço por conta da empresa e tenho que usar cc em nome de terceiros, mas tudo bem...
 Amanhã estarei de volta a SP e nessa semana teremos uma série de decisões importantes a tomar. Não sei se a Tesc vai continuar e tampouco no que isso acarretará a meu futuro, mas isso é coisa pequena. Já passei por diversas mudanças na vida. Essa será só mais uma (atualizo do ocorrido por aqui, ok?)
 Estava pensando esses dias... tenho cinco irmãos! Um na casa dos 40 também, dois na casa dos 30 e dois são crianças de 8 anos. Triste ver que somos bem afastados. Meus irmãos mais novos, devido a aproximação de idade com meus filhos, são os que mais tenho contato.
 Tem o Fernando: Médico que mora em Salvador. Apesar de todos os finais de semana ou até mais eu estar na mesma cidade que eles, não o vejo a uns dois anos. Mas vamos dar crédito; o menino só voltou para SSA em fevereiro desse ano. Antes morava em SP.
 Tem o Clerley, o mais velho e o Murilo que moram nos Estados Unidos. O primogênito da dona Elzi, não vejo a uns três anos, já o caçula da dona Myriam a ... sei lá... muitos mais anos que alguns leitores devem ter (triste).
Constato sob um olhar frio, que alguns amigos são mais irmãos do que os de sangue.
 Bom... meu pai é que nem o falecido Chico Anísio! Uma vez Chico falou que quem era casado por trinta anos não entendia de casamento, ele sim, pois fora casado 8 vezes (contra 7 do Sr. José J).
 Enfim... Post pouco inspirado hoje, mas só para voltar a escrever. Vamos tentar manter uma rotina aqui no blog? Escrevo minhas besteiras diariamente e vocês tentam ler... Rs.
 A todos, uma semana maravilhosa e iluminada!