quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

Retrospectiva 2011


Todo final de ano fazemos uma série de promessas e dizemos que no ano seguinte será diferente, que mudaremos isso e/ou aquilo. Pois bem: está chegando ao final 2011 e é impossível não dar uma parada e fazer uma retrospectiva de do ano que passou e ver o que de fato consegui realizar ou/e mudar.

1- Prometi que em 2011 seria o ano da virada em minha vida, que finalmente teria equilíbrio financeiro... É... Essa ficou para o ano que vem...

2- Bom... Minha vida sentimental também não deu muito certo. Na realidade, nem sei mais o que é isso :-/ Mais uma que ficou para o próximo ano.

3- Ser o melhor pai possível: Finalmente uma na qual posso bater no peito! Todos podem falar o que quiser de mim, alias, podem falar quase tudo, menos que não sou um bom pai. Sem falsa modéstia, nesse sentido, sou muito bom.

4- Voltar a fazer dança de salão. Putz... Como pude deixar algo tão básico e fácil sempre para depois, depois e está no final de 2011 sem ter voltado? Em janeiro é certo!

5- Conhecer e rever amigos que há muito não via. Mais uma na qual falhei. Na realidade, a internet é uma benção e uma maldição em nossas vidas. Falamos com as pessoas diariamente por msn, skype, facebook, plus, etc. Mas somos incapazes de ir ao bairro ao lado ver aquele amigo de infância que não tem vida virtual (ou que tem), ou mesmo fazer uma pequena viagem para dar um abraço naquela pessoa que conhecemos na internet a 10 anos e hoje chamamos de amigo. Estou realmente disposto e determinado a mudar isso em 2012. Muitas mudanças podem ser complicadas e difíceis, mas vou começar o ano priorizando as coisas fáceis de minha lista, e essa, certamente é uma delas.

Minha lista é pequena. Seus sonhos e desejos não são grandes. Tendo saúde, paz e amigos verdadeiros, creio que é mais que o suficiente.

Espero que todos tenham uma ótima virada de ano, repleta de momentos da mais pura alegria e que em 2012, consigamos nos encontrar não somente no mundo virtual, mas sentar em uma mesa, tomar um suco, cerveja ou o que você gostar, e bater um longo e animado papo.
 Feliz 2012!

sábado, 17 de dezembro de 2011

Correr riscos e ser feliz...


 Sinto falta de quando as coisas eram mais simples em minha vida.
Hoje tenho 39 anos e tudo é mais complicado.
Não estou reclamando, apenas relembrando de uma época mais inocente e feliz.
Lembro de soltar pipa praticamente o dia inteiro, de ir dar aula na academia de 6 às 22h e ainda assim ter animo para sair quarta, quinta, sexta e sábado.
Lembro de uma vez que eu e meu aluno e amigo Marcelo, fomos a CeQueSabe (apesar do nome de motel, era uma boate no Valqueire), e ao final da noite sairmos tão bêbados de la, que o Marcelo foi dirigindo a 40 km/h, enquanto a gente não parava de rir... Sim, era a nossa imprudência da juventude, era a década de 90 e tínhamos 20 e poucos anos.
Lembro a expressão de surpresa e felicidade de alguém que podia ter sido, mas nunca foi minha namorada ao receber o primeiro Bouquet da vida. Da primeira vez que escalei, que me apresentei dançando gafieira, dos erros e dos acertos que tive.
Mais um ano está se encerrando...
Já não sou mais tão jovem e hoje vivo uma vida quase que totalmente voltada para meus filhos, mas assim é a vida; nascemos, crescemos dando trabalho para nossos pais, casamos ou simplesmente temos filhos sem casar, para que eles iniciem o ciclo seguinte, dando as mesmas alegrias e preocupações que demos aos nossos pais.
Tenho 39 anos... Fazendo uma revisão desses anos de vida, posso afirmar com certeza que não me arrependo dos erros que cometi pelo caminho, mas arrependo-me muito de cada momento que não arrisquei.
Se pudesse dar um conselho, um único conselho, ele certamente seria: Corra riscos! Se quebrar a cara servirá como aprendizado, se der certo, o risco terá valido a pena. No final, seja qual for o resultado, você vai sair ganhando.
A todos, um ótimo domingo!

domingo, 4 de dezembro de 2011

A passarela e aqueles que ignoramos pelo caminho


 Mais um dia comum, la estava eu passando pela rua, indo para uma audiência trabalhista contra um ex colaborador, quando fiquei irritado com a lentidão que estava para subir uma passarela. Pensei “que povo lerdo”.
De repente a coisa andou e pude notar que não era o único que havia ficado aliviado.
A passarela tinha três lances de escada, com aquelas áreas de descanso entre elas.
Pude notar que a coisa só andou porque um jovem que vinha no sentido contrário, ajudou um senhor de idade avançada, que parecia ser bem carente, a levar uma sacola de plástico grande que continha algumas plantas até a primeira área de descanso.
Em passos largos, tratei de subir toda escada e assim como todos os demais, ignorei o pobre senhor, que teria que encarar mais dois lances de escada sozinho, uma vez que todos , assim como eu, estavam preferindo ignorar aquele senhor sujo e de roupas muito velhas.
Quando cheguei ao topo da passarela, parei por alguns segundos mesmo com pressa e fiquei olhando para ele e pensei:
  • Não inventa. Estou com pressa. Não acredito...

    Mas o fato é que sabia que ninguém ia se importar, ou assim como eu, até teria um pensamento do tipo "coitado", mas não se daria ao trabalho de parar e ajudar.
    Então, mesmo contrariado, voltei e falei com um sorriso meio boca:

  • Pode deixar que eu levo para o senhor.
Calmamente fomos vencendo os degraus, eu com a sacola, enquanto ele reunia as forças para subir cada degrau.
Não sei o tempo que demoramos para atravessar a passarela, mas certamente foi mais que eu queria naquele momento.
Durante a travessia ele não parava de agradecer e ao chegar do outro lado, falou que nem teria terminado de subir a escada se estivesse sozinho.
Perguntei se precisava de ajuda para mais alguma coisa e ele disse que não. Me despedi e segui o meu caminho com cinco certezas:

1- De fato ajudei alguém que realmente precisava.
2- Sempre estamos dispostos a ajudar aqueles que nos agradam mais aos olhos e ignorar a aqueles que os agridem.
3- Embora muitas vezes algo pequeno como carregar uma sacola seja uma ajuda gigantesca ao próximo, preferimos ignorar a necessidade alheia, quer seja pela pressa, quer seja por qualquer outro motivo.
4- O tempo que perdi, não foi um tempo perdido, mas muito bem gasto. Por mais apressado que estivesse, mesmo que na hora tenha ficado contrariado, ao final me senti verdadeiramente bem, ainda que estivesse mais atrasado.
 5- Ao final quando agradeceu com "Deus lhe pague", tinha uma única certeza, Deus já havia pago, pois estava me sentindo muito bem!

A todos, um ótimo domingo!