quarta-feira, 26 de outubro de 2011

A viagem, a festa e a chapeuzinho vermelho...

Era mais um sábado... Não, não era mais um sábado. Era o sábado que após duas semanas, estava indo matar a saudade de meu floquinho de neve e comemorar o aniversário dela que seria no domingo 23, com uma pequena comemoração no sábado.
Derquis, meu primo, Cintia (esposa dele), minha mãe e eu seguimos de carro.
Saímos do Rio as 07h50minh e a viagem correu tranquila. Paramos em um restaurante chamado “Pinga da Roça” na 0,40 perto de Barbacena. Recomendo a todos! Há anos sempre que passo por ali para almoçar ou lanchar nesse restaurante. Aconselho a todos levarem o pote de cocada. Uma maravilha.
Chegamos ao nosso destino por volta das 13h30minh. Muita chuva que nos acompanhou até a volta, mas valeu cada minuto.
O dia seguiu, comemoramos a festa de minha filhota. Ela não parava de brincar na cama elástica e dava gosto ver o belo sorriso dela.
Aos poucos todos foram embora e a festa acabou. Hora de dormir: O floquinho de neve falou:
- Papai, vou dormir com você.
Dei um sorriso e fomos para cama dormir. Deitamos e ela ficou olhando para mim. Passados alguns segundos ela vira e fala:
- Papai, conta uma história!
Meio que num tom de cobrança.
Dei um sorriso, pois achei bonitinho e comecei a inventar uma história de uma menina chamada Julia.
Pois é... Creio que a história não agradou. Passado alguns minutos contando a história, ela virou e falou:
- Papai, essa não, conta outra.
É... O jeito foi contar a história da chapeuzinho vermelho...
Alguns minutos depois estava dormindo e eu segui o exemplo dela...
Continua...

terça-feira, 18 de outubro de 2011

Sou eu assim sem você...


Não escrevo há alguns dias. A verdade é que tem faltado inspiração e animo devido a grande saudade que estou sentindo do meu floquinho de neve, o que por consequência tem gerado várias noites mal dormidas.
Ontem soube que minha filha estava chorando há alguns dias e chamando o papai em alguns momentos.
Para quem tem filhos e por algum motivo já teve que ficar distante deles, deve ser fácil imaginar a agonia que sinto.
Queridos, todos temos nossos problemas e dores, mas em algum momento tudo se resolve.
Deixo com vocês um vídeo que fiz ontem num momento de tristeza e saudade. Creio que ele expressa melhor que minhas palavras o que estou sentindo.
A todos, uma noite iluminada.

domingo, 16 de outubro de 2011

Como hoje é domingo, optei por colocar no ar esse vídeo do qual gostei muito. Amanhã volto aos textos.

Este filme é um comercial para o TC Bank de Taiwan criado pela agência Ogilvy Taiwan baseado em uma história real. Conta a história de cinco amigos que se reúnem após a morte de um sexto. Com uma média de idade de 80 anos, problemas de saúde, vivendo das lembranças do passado e dos amigos que se foram resolvem dar um basta na vida que levavam. Recuperam suas motos vintage que estavam encostadas, fazem seis meses de preparação física e empreendem uma viagem de moto de treze dias por 1.139 km para atravessar o país de norte a sul para reviver uma aventura, recuperar os sonhos perdidos e encontrar um novo sentido para a vida.

A história é verdadeira, assim como os idosos presentes no comercial são os personagens verdadeiros. Realmente é um exemplo a ser seguido de perseverança e luta pela vida.

quinta-feira, 13 de outubro de 2011

 

Levantei às 6h mais ou menos, olhei para minha pequenina e no meu príncipe, dei um beijo em cada e fiquei na sala lendo.
Assim que Mariana acordou, perguntei por que havia aberto o portão, mas não a porta. Para minha surpresa ela respondeu que não havia aberto o portão eletrônico para eu entrar. Provavelmente por algum curto, após apertar três vezes o interfone o portão simplesmente fez barulho como se estivessem apertando o interruptor e se abriu sozinho. Mais uma vez para minha sorte, alguém havia esquecido a porta lateral da casa aberta, de forma que pude entrar, tomar banho e descansar...

Julia acordou as 10h30minh e assim que percebi que estava conversando com a Mariana, tratei de ir ao quarto dar um oi. A partir daí foi um dia de muitas brincadeiras, até que por volta das 21h30min ela foi ter o merecido descanso. Nessa altura eu já havia conversado com ela e explicado que o papai ia viajar muito cedo no dia seguinte. Lindamente quando explicava ela virou e falou:

- Primeiro papai viaja, depois sinto saudade...

Partiu meu coração, mas achei lindo.

Depois soube que ela acordou me chamando.

A viagem foi bem lenta, pois ainda estava com muitas dores pelo corpo e parei algumas vezes para fotografar e descansar. Por volta das 13h30minh cheguei ao Rio. No total um pouco menos de 1400 km havia sido rodado em dois dias de pilotagem e três de viagem.

Estou bem... Confesso que ontem, dia das crianças, fiquei com o coração bem apertado, mas as coisas na vida acontecem no ritmo que Deus define e não no que desejamos...

A todos, um dia de muita paz e alegria.

quarta-feira, 12 de outubro de 2011

As horas foram passando, vi muitos acidentes pelo caminho, algo que mostra o quão imprudente são os motoristas; em especial os caminhoneiros...

A lua mostrava todo seu esplendor de quarto crescente às 16h30minh.
O tempo foi passando e aos poucos a penumbra foi tomando conta. 17h, 18h, 18h30min... Finalmente estava escuro e eu seguia firmemente.
O caminho foi a 040 direto, pegando depois a estrada Real em Conselheiro Lafaiete, passando por SJ Del Rei, até chegar a meu objetivo, alguns quilômetros à frente.
Somente quem é motociclista sabe a real dimensão do que é pilotar uma moto por 973 km em 13h37minh. Principalmente em se tratando de um Fazer de 250cc... Que saudade da XT660... Dor, frio, ao mesmo tempo em que temos a alegria de está na estrada. Uma mistura difícil de explicar, somente vivendo... Compre uma moto e seja feliz...

Já com o corpo pedindo pelo amor de Deus para parar, cedi um pouco a 100 km de meu destino, parei um pouco em um bar, comi um salgado de forno, um suco de uva, vi 10 minutos do jogo da seleção que nem sabia até aquele momento que teria, respirei fundo e segui em frente.
A estrada tem muitas curvas, principalmente na parte final quando estamos chegando a SJDRei. Comecei uma contagem regressiva e aos poucos fui me aproximando de meu destino. Misto de alivio e satisfação quando finalmente cheguei a ultima estrada... Eram somente mais 16 km até meu destino final. Venci um a um os quilômetros que faltavam e as 00h30minh, fazia um ultimo esforço reunindo as forças que ainda me sobravam para descer da moto.
Toquei o interfone, só havia a Mariana, Neiva (fiel escudeira) e as crianças na casa. A Família dela havia ido a um casamento em Juiz de Fora.
Toquei uma segunda e terceira vez o interfone e eis que o portão eletrônico abriu. Subi o lance de escadas e fiquei esperando alguém abrir a porta, mas nada aconteceu. Bati na porta e nada, após algum tempo decidi pular uma pequena elevação e ver se a porta lateral estava aberta. Para minha felicidade estava, pois naquela altura já pensava em dormir na rede que tem na varanda lateral da casa.
Entrei fazendo o mínimo de barulho possível, dei um beijo em meu floquinho de neve, tomei um banho sem que ninguém acordasse e depois deitei feliz da vida, apesar de toda a dor no corpo, ao lado de minha filhota amada.
Fiquei olhando para ela com todo carinho do mundo e com a certeza que meu esforço havia valido a pena. Finalmente adormeci, não sei o horário, mas a ultima vez que vi o relógio já passava de 01h30minh.

terça-feira, 11 de outubro de 2011

Estrada, a velha e boa companheira...

Era mais um dia de minha vida, sempre é...
Acordei naquela manhã de sexta às 6h, preparei tudo. Somente o baú quase cheio e uma mochila. Era o suficiente.
Tomei café, fui ao banheiro, me arrumei , fui à feira dos importados comprar uma bateria Xing ling nova para o velho LG, uma vez que já não tinha mais o meu bom Nokia n8.
Exatamente as 10h23minh subi na moto e saí em direção ao Rio.
Parei o mínimo possível. Somente parava para abastecer e aproveitava a ocasião para lubrificar a corrente.
Um segredo de quem está acostumado a viagens longas, ou mesmo a curtas. Sempre pare para almoçar aonde tem vários caminhoneiros parados. A comida sempre será boa e barata. Seguindo essa dica de algum guia da vida, que já não lembro mais qual, parei as 11h45minh (outra dica: sempre como cedo para não comer comida revirada ou pior; estragada) e comi uma comida deliciosa por 6,90! Comida a vontade... Bom para quem como muito, mas para alguém que como entre 300 e 400g, não faz muito diferença. Ainda assim a comida era ótima e barata.
Dei uma carga no banheiro da birosca, pois naquela altura a bateria de 30,00 que havia comprado, já mostrava sua real força, algo em torno de 1,5h de duração. Ah Xing ling...

Continuei na estrada nas horas que foram se seguindo. Felizmente o tempo estava bom e não peguei uma gota de chuva.
Com o passar das horas o corpo foi doendo cada vez mais, mais tinha um objetivo estabelecido e ia cumpri-lo de qualquer jeito. Ia chegar para dar um beijo em meu floquinho de neve.
Continua...