segunda-feira, 31 de maio de 2010

Primeiro acidente - parte II

Ao levantar vi que minha perna estava toda vermelha, havia ralado toda coxa direita.
Olhei em volta e percebi que algumas pessoas haviam saído de dentro de casa devido ao barulho ocasionado pelo acidente. Fui em direção a casa de uma senhora e aproveitando que a adrenalina ainda estava alta, perguntei se podia emprestar uma mangueira e sabão.
Esfreguei bastante o sabão na perna e lavei em abundancia. Ardia, mas certamente menos que se fosse fazer aquilo depois...
Os quatro caras que me ajudaram, trouxeram minha moto e a deixaram em pé. O lado direito estava com a carenagem totalmente destruída, mas no esquerdo não havia acontecido nada.
Tentei ligar a moto e na primeira tentativa ela não respondeu. Na segunda, sucesso! Agradeci a todos, subi na danada e voltei para casa da minha amiga Luciana, de onde tinha saído pouco tempo antes. Ela era estudante de medicina e me parecia à opção mais lógica, uma vez que ainda tinha que ir ao hospital.
Ao chegar a casa dela, chamei e quando ela atendeu, falei:

- Cai de moto!

- Ela riu e falou para deixar de ser bobo (estava vendo o lado esquerdo da moto e minha perna esquerda que não haviam sofrido nada).

Manobrei a moto e então ela viu o outro lado.

Mudou o semblante e falou:

- Meu Deus...

Continua...

domingo, 30 de maio de 2010

O primeiro acidente de moto...



Entre os passageiros estava o Marquinhos, um rapaz que morava no prédio em frente a minha vila.
Ele vira e fala:

- De novo Marcinho...

Pois é meus amigos, de novo! Dois meses antes havia sofrido outro acidente de moto. Mal havia me recuperado e estava começando a pagar o conserto anterior.

Fiquei jogando baralho até tarde na casa de uma amiga e na volta, estava passando por uma rua que ligava a Sulacap ao Valqueire. Em uma curva onde tem um sinal, um carro avançou e deu um leve toque em minha traseira. Foi o suficiente para perder a direção, bater no meio fio de um canal que dividia a pista, voar alguns metros, por sorte cair justamente na faixa de terra de um metro mais ou menos, entre o canal e asfalto, arrastar o corpo por alguns metros, dar uma cambalhota involuntária num montinho e por fim cair sentado e tonto com a perna virada para trás no asfalto.
Por sorte somente minha perna direita comeu inteira, pois arrastou no meio fio. Usava um conjuntinho para dar aula que hoje consideraríamos ridículo (foto), mas que era muito usado na década de 90. Além disso, naquela época ninguém usava capacete. Portanto, já naquela época o meu anjo da guarda trabalhava dobrado!
Minha moto foi parar a uns 20, 30 mt.
Em seguida passou um carro com quatro caras que desceram e vieram em minha direção. Um deles foi pegar a minha moto. Perguntaram se estava bem.

Respondi mexendo em todo o meu corpo para ver se sentia alguma dor:

- Acho que não quebrei nada (já me levantando).

Continua...

sábado, 29 de maio de 2010

Lembro do ano de 1998... Estava com minha primeira moto, uma Sahara. Estava indo para a academia dar aula. De repente surge um ônibus na minha frente do nada! Não teve jeito... Acabei colidindo de frente. O impacto foi tão forte que fui jogado a uns seis metros de distancia, além de afundar a lataria frontal e estourou o pára brisas.

Caí no chão todo torto.
Segundos após cair, começou a jorrar sangue do meu olho esquerdo e minha bacia estava toda torta. Tentei mexer a perna, mas sem sucesso.

O motorista do ônibus desceu junto com os passageiros e vieram ver como estava.
Estava com tanto ódio pela estupidez do sujeito, que quis cortar outro ônibus para entrarem uma rua à esquerda, fechando por completo a pista, que só queria saber de pegar no pescoço dele.

Lembro de falar:

- Chega aqui perto, pois não consigo andar e só quero pegar o seu pescoço, seu desgraçado... Pois é... Estava fora de controle e falava isso enquanto me rastejava em direção a ele.

Continua...

Obs: Infelizmente diversas vezes no ultimo ano prometi não parar de escrever, mas tive diversas tribulações e nunca consegui cumprir minha promessa.
Estou em uma nova fase de minha vida e agora vou me dedicar ao blog com mais carinho.
Um dia chegaremos nessa fase...

Beijos e abraços a todos com muito carinho.